EVOLUÇÃO DO FUNCIONALISMO PÚBLICO NO BRASIL E NO MUNDO

jul 21, 2020

O presente estudo tem o objetivo de lançar elementos para um debate imparcial sobre a quantidade de servidores públicos no Brasil. Esse debate sobre a eficiência do Estado brasileiro e até acerca da quantidade ou proporção de servidores públicos em relação à população empregada, é sempre trazido à baila, em artigos os mais diversos.

Na realidade, temos que salientar que muitas das recentes publicações que eventualmente apontam para um inchaço do setor público, trazem argumentos rasos e sem qualquer base de dados mais específicos.

A superficialidade de algumas publicações fica ainda mais evidente quando se verifica que os supostos estudos não distinguem quaisquer das esferas, Poderes ou carreiras. Ou seja, essa generalização tende a induzir o leitor, principalmente o desatento a erro, tendente a concordar que “há servidores demais” no Brasil e que a solução passaria por uma redução do tamanho do Estado, o que é uma conclusão enviesada.

A primeira parte das análises será fundamentada nos relatórios disponibilizados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico OCDE, denominados Government at a Glance 2019 e Government at a Glance Latin America and the Caribbean 2020.

Os dados dos gráficos disponibilizados pela OCDE, deverão servir de base a uma análise acerca do percentual de servidores públicos em relação à população total empregada, bem como da taxa de crescimento anual desse quantitativo. O gráfico a seguir reproduzido foi elaborado pela OCDE, inserido no relatório Government at a Glance 2019 representa o percentual médio de servidores públicos em relação ao número total de empregados, nas Economias que elenca:

No gráfico acima, a média de servidores públicos em relação à população empregada, calculada pela OCDE, é de 17.88%[1] (em vermelho). Na “liderança” vem a Suécia, com 30.26%. É claro que os argumentos que distanciam o Brasil de uma análise com a nação escandinava são muitos, como a população, área, IDH, dentre tantos outros.

Contudo, os EUA figuram bem próximos à média da OCDE, com 15.89%. O Japão, por sua vez, é o país com a menor quantidade de empregados públicos, com apenas 6.09% em relação à população total empregada. Nesse mesmo estudo, a OCDE não consolidou os dados do Brasil. Para comparar os dados acima com o Brasil, foi necessário usar dados de um outro estudo publicado em 2020, a seguir demonstrado.

Em outra análise, a OCDE dimensiona a taxa de crescimento de empregados no serviço público, conforme se depreende pelo gráfico a seguir reproduzido:

No gráfico acima, onde a OCDE demonstra a taxa de crescimento anual de emprego no setor público, observa-se que a média dos países da OCDE é de 0.62%, indicada em vermelho. Com 3.56% de crescimento na série, a Irlanda lidera esse quadro comparativo. Novamente os EUA figuram bem
próximos à média, com 0.66% de crescimento anual. O Japão revelou evolução de 0.38%, enquanto o mesmo quadro revela uma série de países onde ocorreu uma involução, na qual a Estônia parece liderar, com – 5.55%.

Para realizar uma comparação desses indicadores com a realidade brasileira, usando os relatórios da OCDE, é necessário lançar mão de um outro relatório: Government at a Glance Latin America and the Caribbean 2020, onde os parâmetros da média de servidores públicos em relação à população empregada são compilados no gráfico a seguir reproduzido:

O Brasil figura, conforme aponta a OCDE com uma taxa de 12.5% de servidores públicos em relação à população empregada. Fica demonstrado que o Brasil está muito abaixo da média da OCDE para esse indicador, que é para esse mesmo período, já de 22.0%. O Brasil está praticamente na média do indicador para a América Latina + Caribe, que é de 12.3%.[2]

E em relação à taxa anual de crescimento de empregados no serviço público, o Brasil está na seguinte condição, conforme gráfico da OCDE abaixo reproduzido:

Quando o indicador comparado é a taxa anual de crescimento dos servidores públicos, o Brasil figura com uma performance de 0.3%, que é a metade da média da OCDE para o período, de 0.6%. O Brasil também está muito aquém da média para a América Latina + Caribe, que é de 1.4%.

Ao considerarmos os dois gráficos dos estudos da OCDE, relativamente à média dos empregados públicos em relação à população total empregada, considerando o Brasil inserido, temos a seguinte realidade:

As colunas “OCDE” e “LAT/CAR” correspondem, respectivamente, à média dos países da OCDE e à média dos países da America Latina e Caribe. Observa-se que o Brasil, com 12.5%, está bem abaixo da média da OCDE, que no relatório Government at a Glance Latin America and the Caribbean 2020 já batia os 22%. Já em comparação com os seus vizinhos da America Latina e Caribe, que estão com 12.3%, a realidade brasileira se mostra tecnicamente empatada, com 12.5%.

É interessante a comparação do percentual de servidores públicos do Brasil com os EUA, tendo em vista que é um país sempre apontado como exemplo de liberalismo e de Estado mínimo. E o que os números da OCDE revelam é que, nos Estados Unidos, há mais servidores (15.89%) –
proporcionalmente – do que no Brasil (12.50%.).

Quando se realiza a compilação dos dados relacionados à taxa de crescimento do número de servidores, o resultado resumindo apenas o país com a maior taxa, que é a Irlanda, com 3.56%; a média da OCDE, com 0.62%; a média dos EUA, que foi de 0.66% no período; a média da América Latina e Caribe, que foi de 1.4% e o Brasil, que apresentou a mais baixa taxa, de 0.3%.

O exame dos relatórios e gráficos indicados apontam para a conclusão de que a eventual alegação de que o Brasil tem um excesso de servidores públicos não se sustenta. Ao analisarmos os quadros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE, fica patente que o Brasil está abaixo dos indicadores médios em termos globais. Já em comparação com os países LATAM + Caribe, o Brasil crava seu indicador tecnicamente na média.

A segunda parte do estudo tem como base o estudo divulgado pelo Banco Mundial sob o título “GESTÃO DE PESSOAS E FOLHA DE PAGAMENTOS NO SETOR PÚBLICO BRASILEIRO – O QUE OS DADOS DIZEM?”.

Nesse relatório, o organismo internacional realiza um levantamento/diagnóstico de dados de servidores em nível federal e estadual, limitado às despesas com pessoal civil dos poderes executivos federal e estaduais.

Ao examinar as despesas com pessoal do governo federal, no período compreendido entre 1997 e 2018, a conclusão do referido estudo do Banco Mundial foi de que essas “se mantiveram relativamente estáveis como proporção do PIB e cresceram 3,7% a.a. em termos reais. Nesse período, a razão dessas despesas pelo PIB teve média de 4,31%, atingiu valor máximo em 2000 (4,8%) e mínimo em 2013 (3,8%).”[3]

A Figura 3 disponibilizada na página 23 do referido relatório revela:

O mesmo estudo apresenta uma outra figura (8) na página 25, onde se evidencia – em nível de poder executivo federal – que desde 2016, há uma redução no gasto com pessoal ativo, que cai de 131.6 em 2016 para 125.9 em 2018. O indicador remuneração média também cai, de 119.0 em 2016 para 114 em 2018. A linha indicativa da quantidade de servidores também aponta para uma redução no período, de 110.9 para 110.5.

Ao analisar a mesma realidade no âmbito dos governos estaduais, o relatório do Banco Mundial exibe a figura de 37 na página 54, onde também resta evidenciado – em nível de poder executivo estadual – que a partir de 2014, também se evidencia redução no gasto com pessoal ativo. O indicador “Folha em termos reais” cai de 198 para 179. O indicador “Salário médio” cai de 182 para 178. E o indicador “Número de vínculos” cai do patamar de 109 para 100.

É o que se observa a partir da leitura da figura abaixo:

CONCLUSÃO

Os resultados compilados a partir dos estudos desenvolvidos pela OCDE e pelo Banco Mundial apontam para uma realidade de uma força de trabalho – em termos de número – compatível com a realidade brasileira. O Brasil possui um percentual de servidores públicos em relação à população empregada bem abaixo da média da OCDE. O Brasil se posiciona – nesse quesito – também abaixo de países tidos como liberais, como é o caso dos EUA.

A taxa média de crescimento do Brasil também é inferior à média da OCDE; inferior à de países desenvolvidos, especialmente a revelada pelos Estados Unidos e até inferior à média da America Latina e Caribe.

Para download, clique aqui.

Referências   [ + ]

[1] OECD (2019), Government at a Glance 2019, OECD Publishing, Paris.
Disponível em: https://doi.org/10.1787/8ccf5c38-en
Acesso em: 31/05/2020
[2] OECD (2020), Government at a Glance: Latin America and the Caribbean 2020, OECD Publishing, Paris.
Disponível em: https://doi.org/10.1787/13130fbb-en
Acesso em: 31/05/2020
[3] Banco Mundial. GESTÃO DE PESSOAS E FOLHA DE PAGAMENTOS NO SETOR PÚBLICO BRASILEIRO – O QUE OS DADOS DIZEM?
Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/en/449951570645821631/Gest%C3%A3o-dePessoas-e-Folha-de-Pagamentos-no-Setor-P%C3%BAblico-Brasileiro-o-Que-Os-Dados-Dizem
Acesso em: 31/05/2020

Autor

Juracy Soares

Juracy Soares

Juracy Soares é auditor fiscal do Estado do Ceará, diretor de Estudo Tributários da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite) e diretor executivo da Associação dos Auditores Fiscais da Receita Estadual e dos Fiscais do Tesouro Estadual do Estado do Ceará (Auditece). É graduado em Contabilidade pela UFC, mestrado em Controladoria e doutorado em Direito, pela UMSA-AR.

Comentários

4 respostas para “EVOLUÇÃO DO FUNCIONALISMO PÚBLICO NO BRASIL E NO MUNDO”

  1. Avatar ed meds disse:

    I enjoy you because of all of the effort on this blog. Betty delights in carrying out internet research and it’s easy to see why. A lot of people hear all about the compelling form you convey advantageous guidance by means of the blog and attract contribution from other individuals about this area and my child has always been becoming educated a great deal. Enjoy the remaining portion of the new year. You’re carrying out a brilliant job.

  2. I’m just commenting to let you be aware of of the fabulous discovery my cousin’s daughter experienced going through your site. She even learned lots of issues, most notably how it is like to have a very effective giving mindset to have many others just gain knowledge of chosen grueling matters. You really did more than our desires. Many thanks for distributing the important, healthy, educational and as well as easy thoughts on the topic to Gloria.

  3. I am constantly looking online for posts that can aid me. Thank you! https://hivmedi.com best prescription drugs for hiv

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *